Venâncio Shopping abre espaço para a moda multiétnica produzida por refugiados em Brasília

Posted on

Em 28 de junho, o Grupo Mulheres do Brasil, liderado pela empresária Janete Vaz e pelas executivas Samara Braga, Glória Guimarães e Ilda Peliz, realizará, com apoio do Venâncio Shopping, um desfile para apresentar a moda produzida por estilistas africanos. De origem de países como Guiné-Bissau, Togo, Costa do Marfim, Congo e Gana; Isabel Da Costa e Saturnina da Costa, Akou Avogtnon, Dja Franck Lagbre, Lucie Atumesa Nsimba e Gladys Edem, respectivamente, além do talento, têm em comum a condição de refugiados e imigrantes e buscam se manter ativos e altivos longe de casa. Em Brasília, felizmente, há espaço para a solidariedade e incentivo para que estes profissionais possam continuar criando.

Foto: Carol Trino

“Este oportunidade é muito importante, pois nos possibilita apresentar um novo trabalho, em que poderemos mostrar nosso talento, nossos tecidos, nossas cores e nossa alegria. Vamos mostrar que moda africana não é fantasia, que é super adaptável ao estilo brasileiro através de outras modelagens e releituras. É também uma oportunidade incrível de fazer networking, negócios, de caminhar para frente. É, antes de mais nada, empoderamento e autoestima para todos nós”, declara a estilista Saturnina da costa, em nome do grupo.

Com a temática “diversidade”, a proposta do desfile foi trabalhada a partir dos conceitos de igualdade entre os povos, aceitação e tolerância. Para abrir o evento, Salomey Otori e Emmanuella Edem apresentarão um número de dança típica ganesa. Na passarela, cada estilista apresentará cinco looks vestidos por modelos da Scouting Agência de Modelos. Ao final de cada bloco, entrará com a/o modelo para apresentar-se à plateia. A produção do desfile também conta com a colaboração da marca brasiliense Nágela Maria, que prestou consultoria na confecção das peças. As estilistas Nágela Maria e Andréa Monteiro, mãe e filha, trabalharam com o grupo de forma a equilibrar as referências da moda africana em sintonia com o gosto da moda brasileira.

Foto: divulgação

“O desafio foi traduzir a beleza e exuberância do estilo africano para um formato mais reconhecido pelo mercado brasileiro”, revela Nágela. “Combinamos as belíssimas estamparias dos tecidos africanos com tecidos lisos e também mexemos em modelagens, por isso teremos muitas saias estreitas e mídis, por exemplos. Há também o ponto de encontro entre as duas culturas estéticas que é o caso das saias mais volumosas, mangas bufantes e croppeds”, completa Andréa. Sobre o que será exibido na passarela e comercializado na Égalité, entre opções prêt-à-porter para homens e mulheres, destaque, ainda, para vestidos, calças, blusas, batas, turbantes e acessórios.

O Comitê de Inserção de Refugiados do Grupo Mulheres do Brasil, que tem à frente Mônica Alvares e Cesira Jardim, vem desenvolvendo uma série de ações de apoio, no sentido da inclusão. Entre as diversas habilidades que vários desses refugiados e imigrantes trazem em seus históricos de vida pessoal e profissional, um se destacou: o estilismo. “Nossa causa abrange refugiados e imigrantes no DF, pois há no grupo africanos na condição de imigrantes. Gostamos de destacar as habilidades empreendedoras daqueles que atravessam fronteiras na busca de novas oportunidades enfrentando as adversidades da vida com otimismo, criatividade e muita coragem. Sendo assim, os africanos utilizam sua arte com tecidos para se inserirem no mercado da moda de forma inclusiva, oferecendo suas cores alegres e vibrantes à moda brasileira”, explica Mônica.

O evento, além do desfile que será realizado na varanda do Venâncio Shopping, marcará a inauguração da loja Égalité (igualdade, em francês). Instalada no 1º piso do mall, o espaço, totalmente colaborativo, comercializará a moda – e também objetos de decoração– produzida pelo grupo. “Idealizamos em conjunto com o Grupo Mulheres do Brasil a ideia de uma loja colaborativa para eles se desenvolverem em uma economia criativa. Recebê-los aqui é atuar de acordo com nosso propósito. A loja Égalité é uma ação de respeito aos refugiados, de apoio às diferenças, de incentivo ao desenvolvimento dessas pessoas que se encontram distantes de sua pátria. Ser solidário é oportunizar novos caminhos pra eles e para nossa economia também”, afirma Ana Lúcia Rodrigues, gerente de marketing do Venâncio Shopping.

Foto: divulgação

GRUPO MULHERES DO BRASIL

O Grupo Mulheres do Brasil é uma rede suprapartidária. Criada em outubro de 2013, por 40 mulheres executivas, de diferentes segmentos, com o intuito de engajar a sociedade civil na conquista de melhorias para o país.

Presidido pela empresária Luiza Helena Trajano, hoje, soma mais de 26 mil mulheres de diferentes classes sociais e profissões, no Brasil e em 11 países. Com ações nas áreas de educação, saúde, empreendedorismo, combate à violência contra a mulher, igualdade racial, políticas públicas, refugiados e imigrantes, entre outros temas, em núcleos instalados no Brasil e exterior. Estimulam o protagonismo feminino, e ativam talentos por meio de parcerias e interlocução com os poderes Executivo, Legislativo, e Judiciário para execução de planos de ação, representam a essência dos trabalhos do Grupo.

Em Brasília, o Grupo foi lançado em agosto de 2017, e é liderado pela empresária Janete Vaz, e as executivas Samara Braga, Glória Guimarães, e Ilda Peliz. O Grupo se reúne mensalmente, e a cada encontro são apresentados temas relacionados à mulher, e o andamento das ações e dos projetos temas implantados na cidade.

VENÂNCIO SHOPPING

Quando o Venâncio Shopping reabriu suas portas em 2016, após realizar um dos maiores retrofits já vistos em um empreendimento comercial, retomou sua relação com a história de Brasília de forma a voltar a fazer parte da vida das pessoas, continuar contando histórias e contribuir de forma relevante com os temas contemporâneos que acolhem o brasiliense nos dias atuais. Assim, o espaço identificou as causas convergentes com os valores da empresa e resolveu abrir seu espaço para ser também um ativador da cultura, da conscientização, informação e conexão das pessoas com assuntos de importância na sociedade. É neste sentido que escolheu a causa dos refugiadas como uma das serem apoiadas em 2019. Inicialmente, este apoio se dará a partir da realização do desfile e da doação do espaço para a operação da loja, pelo período de seis meses. 

Com informações: Donna Mídia

  • Share

0 Comments

Leave a comment

Your email address will not be published.