O que é o Fashion Revolution? #Quemfezminhasroupas?

Posted on

Oi meninas, tudo certo? Hoje vamos falar de assunto bem interessante e extremamente importante que é a cadeia de produção das nossas roupas, ou seja, a indústria por trás do look do dia. Você já se perguntou de onde vem a sua roupa? Quem faz? Se esse trabalho pode ser uma mão de obra escrava ou oriunda de trabalho infantil? Tudo isso é “pano pra manga” para debatermos a moda consciente.

Vocês já ouviram falar do Fashion Revolution? É um movimento que visa debater a produção e o consumo mundial da moda e como eles impactam o meio ambiente. Em busca da sustentabilidade, a campanha procura questionar processos industriais produtivos  e como as pessoas podem melhorar sua relação com as suas roupas, afim de que o impacto ambiental e social negativo seja cada vez menor.

Além disso, o movimento nos leva a pensar em como nossas roupas são feitas, quem são as pessoas reais por trás da cadeia produtiva e do comércio exagerado da moda. O Fashion Revolution nos convida a pensar e consumir de forma mais consciente e inteligente, e a propor novas maneiras de pensar no mundo fashion do dia a dia.

“O Fashion Revolution Day é um movimento criado por um conselho global de líderes da indústria da moda sustentável que se uniram depois do desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh no dia 24 de abril de 2013 que deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos. A campanha surgiu com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto em todas as fases do processo de produção e consumo, mostrando ao mundo que a mudança é possível através da celebração dos envolvidos na criação de um futuro mais sustentável e criar conexões exigindo transparência”.

Fonte: site oficial da Fashion Revolution

Todos os anos, milhares de pessoa pelo mundo se engajam na campanha e fazem às marcas de roupas a seguinte pergunta: Quem fez minhas roupas? Esse movimento faz com que paramos para descobrir quem foi o produtor do algodão que originou o tecido, quem foi a costureira que fez aquela peça e por aí vai, afinal, a compra é apenas a última etapa de todo esse processo. Vamos jogar luz sobre toda a força de trabalho que se esconde por trás daquele jeans maravilhoso que você veste.

O FRD acontece em todo o mundo, nas principais capitai, e aqui você pode conferir a programação para Brasília

Eu gostaria de fazer um convite a você! Antes de comprar algo, questione se realmente precisa daquilo, ou se há uma alternativa ao ato de comprar. Digo isso porque é um comportamento que eu tenho aplicado na minha vida. Tenho criado hábitos de consumo mais inteligentes, que ajudam tanto o meu bolso quanto ao meio ambiente.

Outra coisa bacana que você pode fazer é mudar a forma como você se relaciona com a sua roupa. Você já pensou em usar aquela peça por mais tempo, reformar, alugar, ou dividir o closet com uma amiga? Enfim, torne a roupa mais que algo que você só usa e joga fora.

 

Segundo o site oficial, essa foram algumas das conquistas nos útimos 5 anos:

– Ano passado 2,5 milhões de pessoas se envolveram com o movimento. Mais de 100 mil pessoas questionaram #whomademyclothes

– 2.416 marcas responderam a hashtag e compartilharam informações sobre a sua cadeia produtiva. Mais de 150 grandes marcas publicaram onde são feitas suas roupas

– Por ano, mais de 3.600 profissionais responderam #imadeyourclohes

– Mais de 1.300 fábricas foram inspecionadas em Bangladesh desde a tragédia do Rana Plaza

– O governo de Bangladesh aumentou em 77% o salário mínimo da área – agora são $68 por mês

– Mais de 70 marcas se comprometeram a participar da campanha Detox do Greenpeace, que consiste em eliminar os produtos químicos prejudiciais das cadeias de produção da moda. Juntas, essas marcas representam 15% da produção têxtil global.

DADOS DO BRASIL

– Em 2017, 225 eventos aconteceram em 37 cidades durante a Semana Fashion Revolution

– 150 atividades aconteceram em 50 faculdades, com a participação de 31 estudantes embaixadores

– O Brasil foi o país com o maior uso da hashtag #fashionrevolution, com 19% das menções mundiais, totalizando 4.884.

No Distrito Federal, a programação está sendo construída por uma rede de apoiadores formada por cidadãs e cidadãos interessados em refletir sobre a questão: QUEM FEZ MINHAS ROUPAS.

Fonte: https://www.fashionrevolution.org/south-america/brazil/

2 Comments

  1. Maísa says:

    Muito bom saber que temos blogueiras com essa consciência. Você arrasa!

    1. Erica Teles says:

      Ahhh, eu fico muito feliz com esse feedback.
      Vamos juntas fazer a nossa parte, né? Já é um bom começo!

Leave a comment

Your email address will not be published.